quarta-feira, 6 de abril de 2011

Em cada despedida



Fito a morte com a mesma tranquilidade com que vejo um pôr do sol.
Há nas suas repetições a confirmação de uma sentença.

4 comentários:

aaluah disse...

Como não, se vemos todos os dias o morrer do dia?

Si, Fosse Algo seria o Nada disse...

Procurando amores improváveis te encontrei...e me apaixonei!
(rsrs)Virei fã e volto sempre!

Bjsssss

Elaine disse...

Meu desconhecido amigo Português,

Saudades... já faz um bom tempo que não apareces. Quando voltarás?

Elaine Maciel disse...

Já vai pouco mais de um ano, e tuas últimas postagem me preocupam diante de tua ausência.. bem que podias dar um sinal de vida, querido amigo. Embora não me conheças, nutro um sincero carinho por ti.