quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

O calor da mesma fé

Meus queridos amigos, Daqui, de tão longe, deste lugar sem Natal, desejo a todos umas Boas Festas. Esta foi provavelmente a mais estranha consoada de que tenho memória. Provavelmente porque não houve consoada. Procurei em vão por uma igreja para, em comunidade, poder viver esta Noite Feliz. Acabei num restaurante italiano a comer uma pizza e a beber uma cerveja. Achei que os sabores ocidentais me aproximariam mais do nosso mundo e das nossas tradições. Enganei-me. O Natal passa-se entre os que mais se ama... É esse o factor que faz toda a diferença. Na noite passada faltaram-me os meus pais, os meus irmãos, os meus amigos, e todos aqueles de quem gosto. Faltou-me a certeza de um lar. Faltaram os abraços e os sorrisos. Faltou o calor da mesma fé e a alegria partilhada do Milagre do Nascimento. Foi um Natal sem Natal. E ainda que a opção tenha sido minha, não consegui evitar uma lágrima quando pensei que estava tão longe de todos. Com saudades

Pedro

My world is changing



"Where are you Christmas
Why can't I find you
Why have you gone away
Where is the laughter
You used to bring me
Why can't I hear music play
My world is changing
I'm rearranging
Does that mean Christmas changes too
Where are you Christmas
Do you remember
The one you used to know
I'm not the same one
See what the time's done
Is that why you have let me go
Christmas is here
Everywhere, oh
Christmas is here
If you care, oh
If there is love in your heart and your mind
You will feel like Christmas all the time
I feel you Christmas
I know I've found you
You never fade away
The joy of Christmas
Stays here inside us
Fills each and every heart with love
Where are you Christmas
Fill your heart with love"

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Por detrás da tua ausência

"Não foi aqui que te encontrei. Ao primeiro olhar gostei de ti. Eras sem medida comum a realidade que me cercava. (...)
Não me tocas. Sofro a distância que nos separa. Não julgo sequer ser-me permitido agarrar-te a mão. Pouco a pouco privas-me de mim. Um outro país vence-me, uma outra língua, um ser distante. Já não sei quase nada. (...)
Esvazio-me, és o único a poder salvar-me. Adormeces demasiado depressa e acordas demasiado cedo. Não devia ter-te amado. Tu não gostas do amor. (...)
Ao ouvir-te a tua vida era vasta e densa. No entanto, por vezes, parecia-me que pelo menos uma parte de ti tinha ficado pelo caminho, morta algures ou pelo menos perdida, e que também para mim estavas morto e perdido. Tens medo dos sentimentos. Repetes as mesmas frases. Procuro-te por detrás da tua ausência. (...)"

Pedro Paixão, 'Viver todos os dias cansa'

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

E hoje, a Índia.


Começa hoje a viagem. Durante os próximos 27 dias vou estar longe. Helsínquia, Delhi, Mandawa, Bikaner, Jaisalmer, Jodhpur, Rohet, Udaipur, Jaipur, Agra, Fatehpur Sikri, Varanasi, Kathmandu, Nagarkot, e Goa são alguns dos sítios por onde vou andar. Sinto um peso no estômago face à vertigem do desconhecido. Na ida, levo Lisboa no coração. No regresso, espero trazer nos olhos as paisagens desse país que me fascina tanto. Até ao meu regresso!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

De um amor que permanece


Um dia a minha avó Maria do Carmo perguntou-me se era feia. A minha resposta foi muito rápida: “Feia? A avó não é feia, a avó é horrorosa. Parece um camelo”. Eu devia ter uns 8 ou 9 anos mas nunca mais a minha avó deixou de repetir essa história. Penso que no fundo nunca me terá perdoado a honestidade. E eu também nunca lhe pedi perdão pelo deslize infantil. A realidade é que a minha avó não era feia. Era a única avó que eu conheci e por isso era a melhor avó do mundo. E, arrisco-me a dizer, a mais bonita.
Tínhamos uma relação muito próxima, a minha avó e eu. Ela vivia em São Paulo e eu em Lisboa, mas estávamos ligados por esse espírito de partilha que transcende distâncias e idades. Talvez ela percebesse melhor do que ninguém o meu lado cinzento.
A minha avó Maria do Carmo não era uma avó convencional. Não me fazia bolos e biscoitos. De resto, odiava cozinhar. Não me estragava com mimos nem contrariava a autoridade dos meus pais. Não era uma avó daquelas que as histórias romantizam. Mas era uma mulher admirável na sua vida austera. A minha avó não era uma mulher feliz. Nunca foi. Não tinha medo nem vergonha de o dizer. E eu entendia o que ela queria dizer. Porque o dizia sempre com uma enorme nobreza, sem comiseração. Não tinha pena de si própria. Sabia apenas que o tempo dela não era um tempo afortunado. Na dureza das suas palavras havia também um tom de desencanto perante uma vida que a traiu tantas vezes.
Conversávamos muito. Com ela aprendi que a felicidade é finita e que tudo pode mudar de um momento para o outro. Com ela aprendi que não se pode confiar muito na vida e que nunca devemos estar tranquilos em relação ao futuro. Aprendi que o amor nem sempre tem que ser simpático. Mas tem que ser fiel. E duradouro. E leal. E constante.
Ainda assim, a minha avó, que não era uma avó convencional, nunca negou afectos. Amava como uma avó deve amar. Mas com um maior sentido de dever. E de responsabilidade. Senti a sua alegria quando nos cuidados intensivos, ligada àquelas máquinas todas, me viu ao seu lado. Percebeu que tinha ido para me despedir. Mas ainda assim, no dia do meu regresso a Lisboa, fez-me acreditar que ainda a veria com vida num futuro bem próximo. Ainda nos rimos de disparates que eu disse. Combinámos ir a Fátima em Julho para rezarmos juntos. E os seus olhos brilharam quando lhe disse que me fazia muita falta. Despedi-me e parti com a certeza de que percebeu o quanto era importante para mim. Não é fácil amar quem é infeliz. Mas isso, claro, eu não lhe disse.
A minha avó vai fazer-me muita falta. Não de uma forma evidente. Mas sei que vai doer muito a sua ausência. Principalmente em Julho, quando for a Fátima rezar e perceber que ela não está comigo.
O Padre Tolentino disse-me há uns dias que “o amor não acaba e o dia não declina”. E no fim é isso que resta. A memória de um amor que permanece. A certeza de uma saudade que não vai desaparecer. Nunca.
Porque a minha avó era uma grande devota de Nossa Senhora, e porque morreu no dia 8 de Dezembro, dia de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira de Portugal, termino com palavras que São Bernardo escreveu:

«Ó tu, quem quer que sejas, que te sentes longe da terra firme, arrastado pelas ondas deste mundo, no meio de borrascas e tempestades, se não queres soçobrar, não tires os olhos da luz desta estrela.
Se o vento das tentações se levanta, se o escolho das tribulações se interpõe em teu caminho, olha a estrela, invoca Maria.
Se és balouçado pelas vagas do orgulho, da ambição, da maledicência, da inveja, olha a estrela, invoca Maria.
Se a cólera, a avareza, os desejos impuros sacodem a frágil embarcação da tua alma, levanta os olhos para Maria.
Se, perturbado pela lembrança da enormidade dos teus crimes, confuso à vista das torpezas da tua consciência, aterrorizado pelo medo do Juízo, começas a deixar-te arrastar pelo turbilhão da tristeza, a despenhares-te no abismo do desespero, pensa em Maria.
Nos perigos, nas angústias, nas dúvidas, pensa em Maria, invoca Maria.
Que o seu nome nunca se afaste dos teus lábios, jamais abandone o teu coração; e para alcançar o socorro da intercessão de Maria, não negligencies os exemplos da sua vida.
Seguindo-A, não te transviarás; rezando a Ela, não desesperarás; pensando n’Ela, evitarás todo erro.
Se Ela te sustenta, não cairás; se Ela te protege, nada terás a temer; se Ela te conduz, não te cansarás; se Ela te é favorável, alcançarás o fim.
E assim verificarás, por tua própria experiência, com quanta razão foi dito: "E o nome da Virgem era Maria".» (
São Bernardo)


(No dia em que faço 31 anos)

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

No meu deserto


"Já disse adeus
a tanta terra, a tanta gente.
Nunca senti meu coração tão magoado,
inquieto,
por saber,
que o tempo vai passando
e tu vais esquecer o nosso Fado.
Partida, cada vez mais sombria,
cansada...
São nuvens negras
em céu azul
são ondas de naufrágio
em mar fundo.
No meu deserto não vejo abrigo
sem ter um amor neste mundo.
Mas se eu voltar e como penso, me esqueceste,
troco por outro
o coração amargurado.
tentarei não fazer mais castelos no ar
e nunca mais viver
outro Fado."

Luís de Macedo musicado por Alain Oulman, na voz de Amália Rodrigues
(para a minha avó, no dia da Missa de 7º Dia)

domingo, 14 de dezembro de 2008

A sorte de um amor tranquilo

"Eu quero a sorte de um amor tranquilo
Com sabor de fruta mordida
Nós na batida, no embalo da rede
Matando a sede na saliva
Ser teu pão, ser tua comida
Todo o amor que houver nessa vida
E algum trocado pra dar garantia

E ser artista no nosso convívio
Pelo inferno e céu de todo dia
Pra poesia que a gente não vive
Transformar o tédio em melodia
Ser teu pão, ser tua comida
Todo o amor que houver nessa vida
E algum veneno anti-monotonia

E se eu achar a sua fonte escondida
Te alcance em cheio o mel e a ferida
E o corpo inteiro feito um furacão
Boca, nuca, mão, e a tua mente, não
Ser teu pão, ser tua comida
Todo o amor que houver nessa vida
E algum remédio que me dê alegria"

Cazuza

sábado, 13 de dezembro de 2008

Caminhar vazio


"Tudo era apenas uma brincadeira
E foi crescendo, crescendo, me absorvendo
E de repente eu me vi assim completamente seu
Vi a minha força amarrada no seu passo
Vi que sem você não há caminho, eu não me acho
Vi um grande amor gritar dentro de mim como eu sonhei um dia
Quando o meu mundo era mais mundo
E todo mundo admitia uma mudança muito estranha
Mais pureza, mais carinho mais calma, mais alegria
No meu jeito de me dar
Quando a canção se fez mais clara e mais sentida
Quando a poesia realmente fez folia em minha vida
Você veio me falar dessa paixão inesperada por outra pessoa
Mas não tem revolta não, só quero que você se encontre
Saudade até que é bom, é melhor que caminhar vazio
A esperança é um dom que eu tenho em mim, eu tenho sim
Não tem desespero não, você me ensinou milhões de coisas
Tenho um sonho em minhas mãos, amanhã será um novo dia
Certamente eu vou ser mais feliz"

Caetano Veloso

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Só a dor que me reparte


"Viajei por toda a Terra
desde o norte até ao sul;
em toda a parte do mundo
vi mar e céu azul

Em toda a parte vi flores
romperem do pó do chão,
universais, como as dores
do mundo
que em toda a parte se dão.

Vi sempre estrelas serenas
e as ondas morrendo em espuma.
Todo o Sol um Sol apenas,
e a Lua sempre só uma.

Diferente de quanto existe
só a dor que me reparte.
Enquanto em mim morro triste,
nasço alegre em toda a parte."

António Gedeão

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Todas as noites do mundo numa só noite comprida


"A noite trocou-me os sonhos e as mãos
dispersou-me os amigos
tenho o coração confundido e a rua é estreita
estreita em cada passo
as casas engolem-nos
sumimo-nos
estou num quarto só num quarto só
com os sonhos trocados
com toda a vida às avessas a arder num quarto só
Sou um funcionário apagado
um funcionário triste
a minha alma não acompanha a minha mão
(...)
Por que me sinto irremediavelmente perdido no meu cansaço
Soletro velhas palavras generosas
Flor rapariga amigo menino
irmão beijo namorada
mãe estrela música
São as palavras cruzadas do meu sonho
palavras soterradas na prisão da minha vida
isto todas as noites do mundo numa só noite comprida
num quarto só"



António Ramos Rosa

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

O sentimento da desolação que me enche e me avassala


"Beber a vida num trago, e nesse trago
Todas as sensações que a vida dá
Em todas as suas formas [...]
................................................
Dantes eu queria
Embeber-me nas árvores, nas flores,
Sonhar nas rochas, mares, solidões.
Hoje não, fujo dessa ideia louca:
Tudo o que me aproxima do mistério
Confrange-me de horror. Quero hoje apenas
Sensações, muitas, muitas sensações,
De tudo, de todos neste mundo — humanas,
Não outras de delírios panteístas
Mas sim perpétuos choques de prazer
Mudando sempre,
Guardando forte a personalidade
Para sintetizá-las num sentir.
Quero
Afogar em bulício, em luz, em vozes,
— Tumultuárias [cousas] usuais —
o sentimento da desolação
Que me enche e me avassala.
Folgaria
De encher num dia, [...] num trago,
A medida dos vícios, inda mesmo
Que fosse condenado eternamente —
Loucura! — ao tal inferno,
A um inferno real."

Fernando Pessoa

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

A minha avó

A minha avó morreu esta noite. A minha querida avó. Tínhamos uma relação muito próxima, a minha avó e eu. Ela vivia em São Paulo e eu em Lisboa, mas estávamos ligados por esse espírito de partilha que transcende distâncias e idades. Talvez ela percebesse melhor do que ninguém o meu lado cinzento. A minha avó não era uma mulher feliz. Nunca foi. Não tinha medo nem vergonha de o dizer. E eu entendia o que ela queria dizer. Porque o dizia sempre com uma enorme nobreza, sem comiseração. Não tinha pena de si própria. Sabia apenas que o tempo dela não era um tempo feliz. Na dureza das suas palavras havia também um tom de desencanto com uma vida que a traiu tantas vezes. Apesar de tudo, nunca negou afectos. Amava como uma avó deve amar. Senti a sua alegria quando na semana passada me viu, nos cuidados intensivos, ligada àquelas máquinas todas. Percebeu que tinha ido para me despedir. Mas ainda assim, no dia do meu regresso a Lisboa, fez-me acreditar que ainda a veria com vida num futuro bem próximo. Ainda nos rimos de disparates que eu disse. E os seus olhos brilharam quando lhe disse que me fazia muita falta. Vai fazer-me muita falta. Não de uma forma evidente. Mas sei que vai doer muito a sua ausência.
.
.
Maria do Carmo Pio Riscado
4 de Dezembro de 1927 - 8 de Dezembro de 2008

domingo, 7 de dezembro de 2008

Em direcção à ausência


“Nada mais suave do que arrastarmo-nos atrás dos acontecimentos; e nada mais ‘razoável’. Mas sem uma forte dose de demência não há iniciativa, nem empreendimento, nem gesto. A razão: ferrugem da nossa vitalidade. É o louco que há em nós que nos força à aventura; se nos abandonar, estaremos perdidos; (…)
Não se pode ser ‘normal’ e estar vivo ao mesmo tempo. Se me mantenho em posição vertical e me preparo para preencher o próximo instante, se, em suma, concebo o futuro, é porque intervém um oportuno desvario do meu espírito.
Quando me torno sensato, tudo me intimida: deslizo em direcção à ausência, a fontes que não se dignam jorrar, a essa prostração que a vida deve ter conhecido antes de conceber o movimento, atinjo, à força de cobardia, o fundo das coisas, encurralado à beira de um abismo contra o qual nada posso e que me isola do futuro”.

E.M. Cioran, in 'A Tentação de Existir'
via 'Melancómico'

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

A secura humana do meu coração


"Reconheço, não sei se com tristeza, a secura humana do meu coração. Vale mais para mim um adjectivo que um pranto real da alma. (...)
Mas às vezes sou diferente, e tenho lágrimas, lágrimas das quentes dos que não têm nem tiveram mãe; e meus olhos que ardem dessas lágrimas mortas ardem dentro do meu coração. (...)"

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Da vida uma aventura errante


"De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.
De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.
Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente."

'Soneto da Separação', de Vinícius de Moraes
(No dia em que regresso a Lisboa. A Avó continua ligada a uma máquina. Não morreu mas também não melhorou. Dizem-nos que não há mais nada a fazer. Que só temos que esperar que o coração falhe e que chegue ao fim o sofrimento em que ela está. Despedi-me e parto com a certeza de que lhe disse o quanto ela era importante para mim. Não é fácil amar quem é infeliz. Mas isso, claro, eu não lhe disse.)

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Na teia incerta das coisas

"Várias vezes, no decurso da minha vida opressa por circunstâncias, me tem sucedido, quando quero libertar-me de qualquer grupo delas, ver-me subitamente cercado por outras da mesma ordem, como se houvesse definidamente uma inimizade contra mim na teia incerta das coisas.
Arranco do pescoço uma mão que me sufoca. Vejo que na mão, com que a essa arranquei, me veio preso um laço que me caiu no pescoço com o gesto de libertação. Afasto, com cuidado, o laço, e é com as próprias mãos que me quase estrangulo."

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

domingo, 30 de novembro de 2008

Estranha e longínqua


"A hora da partida soa quando
Escurece o jardim e o vento passa,
Estala o chão e as portas batem, quando
A noite cada nó em si deslaça.

A hora da partida soa quando
as árvores parecem inspiradas
Como se tudo nelas germinasse.

Soa quando no fundo dos espelhos
Me é estranha e longínqua a minha face
E de mim se desprende a minha vida."

Sophia de Mello Breyner Andresen

sábado, 29 de novembro de 2008

Desespero


"A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero."
Vitor Hugo

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Prece


Maria Bethânia, in 'Cânticos, Preces e Súplicas à Senhora dos Jardins do Céu'
(Dias de incerteza. Algumas melhoras para voltar a piorar...)

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Never

"Oh let me weep, for ever weep!
My eyes no more shall welcome sleep.
I'll hide from the sight of day,
And sigh, and sigh my soul away.
He's gone, his loss deplore;
And I shall never see him more."

Henri Purcell por Pina Bausch numa cena de Pedro Almodovar
(para a minha avó)

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Cor de chuva, negro pálido


"Chove muito, mais, sempre mais... Há como que uma coisa que vai desabar no exterior negro...
Todo o amontoado irregular e montanhoso da cidade parece-me hoje uma planície, uma planície de chuva. Por onde quer que alongue os olhos tudo é cor de chuva, negro pálido. Tenho sensações estranhas, todas elas frias. Ora me parece que a paisagem essencial é bruma, e que as casas são a bruma que a vela.
Uma espécie de anteneurose do que serei quando já não for gela-me corpo e alma. Uma como que lembrança da minha morte futura arrepia-me de dentro. Numa névoa de intuição, sinto-me, matéria morta, caído na chuva, gemido pelo vento. E o frio do que não sentirei morde o coração actual."

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'
(No dia em que, inesperadamente, parto para São Paulo. O estado de saúde da minha avó agravou-se. Viajo para me despedir. Provavelmente não voltarei a vê-la com vida. Há dias assim: tristes.)

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Aonde não te encontro e fico triste


"Talvez não saibas mas dormes nos meus dedos
aonde fazem ninho as andorinhas
e crescem frutos ruivos e há segredos
nas mais pequenas coisas que são minhas.

Talvez tu não conheças mas existe
um bosque de folhagem permanente
aonde não te encontro e fico triste
mas só de te buscar fico contente.

Oh meu amor, quem sabe se tu sabes
sequer se em ti existo ou sou demora,
ou sou como as palavras, essas aves
que cantam o teu nome a toda a hora.

Talvez não saibas mas digo que te amo
E construí no mar a nossa casa
Que é por ti que pergunto e por ti chamo
Se a noite estende em mim a sua asa.

Talvez não compreendas mas o vento
anda a espalhar em ti os meus recados,
e que há um pôr-do-sol no pensamento
quando os dias são azuis e perfumados.

Oh meu amor, quem sabe se tu sabes
sequer se em ti existo ou sou demora,
ou sou como as palavras, essas aves
que cantam o teu nome a toda a hora."


Joaquim Pessoa por Katia Guerreiro,
in '
Tudo ou Nada'
Para a Katia, que ontem no Teatro Tivoli, em Lisboa, apresentou o seu novo cd, FADO. Foi uma noite especial. Uma noite mágica. De reencontros e de reconciliações. De abraços em silêncio que disseram tudo. De lágrimas e de sorrisos que apagaram o que não interessa. De confirmações segredadas de que "o amor quando é sentido, não se pode disfarçar". Obrigado Katia. Por voltares a fazer-me sentir especial.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Esta tristeza


"Meus dias vão correndo vagarosos,
Sem prazer e sem dor parece
Que o foco interior já desfalece
E vacila com raios duvidosos.

É bela a vida e os anos são formosos,
E nunca ao peito amante o amor falece...
Mas, se a beleza aqui nos aparece,
Logo outra lembra de mais puros gozos.

Minha alma, ó Deus! a outros céus aspira:
Se um momento a prendeu mortal beleza,
É pela eterna pátria que suspira...

Porém, do pressentir dá-ma a certeza,
Dá-ma! e sereno, embora a dor me fira,
Eu sempre bendirei esta tristeza!"

Antero de Quental

domingo, 23 de novembro de 2008

Sonhos que me esqueci de sonhar até ao fim


"É nobre ser tímido, ilustre não saber agir, grande não ter jeito para viver.
Só o Tédio, que é um afastamento, e a Arte, que é um desdém, douram de uma semelhança de contentamento a nossa.
Fogos-fátuos que a nossa podridão geral, são ao menos luz nas nossas trevas.
Só a infelicidade elementar e o tédio puro das infelicidades contínuas, é heráldico como o são descendentes de heróis longínquos.
Sou um poço de gestos que nem em mim se esboçaram todos, de palavras que nem pensei pondo curvas nos meus lábios, de sonhos que me esqueci de sonhar até ao fim.
Sou ruínas de edifícios que nunca foram mais do que essas ruínas, que alguém se fartou, em meio de construí-las, de pensar em que construía.
Não nos esqueçamos de odiar os que gozam porque gozam, de desprezar os que são alegres, porque não soubemos ser, nós, alegres como eles... Esse sonho falso, esse ódio fraco não é senão o pedestal tosco e sujo da terra em que se finca e sobre o qual, altiva e única, a estátua do nosso Tédio se ergue, escuro vulto cuja face um sorriso impenetrável nimba vagamente de segredo.
Benditos os que não confiam a vida a ninguém."

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

sábado, 22 de novembro de 2008

Num lugar que é só meu


"Queres saber quem sou? Eu sou o que te olha e espia para te recolher e depois guardar num lugar que é só meu. Para isso serve o papel. O resto não precisas saber. Nem convém. Só te ia distrair, podes crer. Eu sou o que mergulha as mãos na tua vida para sentir a minha a voltar."

Pedro Paixão, in 'Muito, Meu Amor'

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Entre o muito e entre o pouco que me afasta da infância



"Esta palavra Saudade
Sete letras de ternura
Sete letras de ansiedade
E outras tantas de aventura
Esta palavra saudade
A mais bela e a mais pura
Sete letras de verdade
E outras tantas, de loucura
Sete pedras, sete cardos
Sete facas e punhais
Sete beijos que são dados
Sete pecados mortais
Esta palavra saudade
Dói no corpo devagar
Quando a gente se levanta,
fica na cama a chorar
Esta palavra saudade
Sabe a sumo de limão
Tem um travo de amargura,
Que nasceu no coração
Ai palavra amarga e doce
estrangulada na garganta
Palavra com se fosse
o silêncio, que se canta
Meu cavalo imenso e louco
a galopar na distância
Entre o muito e entre o pouco,
que me afasta da infância
Esta palavra saudade
é a mais prenha de pranto,
como um filho que nascesse
Por termos sofrido tanto
Por termos sofrido tanto
É que a saudade está viva
São sete letras de encanto
Sete letras por enquanto,
Enquanto a gente for viva
Esta palavra saudade
sabe ao gosto das amoras
Cada vez que tu não vens,
cada vez que tu demoras
Ai palavra amarga e doce,
debruçada na idade
Palavra como se fossemos
resto de mocidade
Marcada por sete letras
a ferro e a fogo no tempo
Ai, palavra dos poetas
que a disparam contra o vento
Esta palavra saudade
dói no corpo devagar
Quando a gente se levanta
fica na cama a chorar
Por termos sofrido tanto
É que a saudade está viva
São sete letras de encanto
Sete letras por enquanto,
Enquanto a gente for viva"

J. C. Ary dos Santos, por Marisa Pinto em 'Um País chamado Simone'
Já aqui tinha publicado este poema e esta canção. Hoje dedico-o à minha Avó, Maria do Carmo, que vive no Brasil e que nestes últimos dias está a lutar pela vida. A minha Avó e eu temos 50 anos de diferença. E temos mais coisas diferentes. Mas temos tanto em comum. O facto de ela estar longe faz-me sentir ainda mais impotente. Queria poder estar ao lado dela, nestas noites longas, nos cuidados intensivos. A minha avó Maria do Carmo não é uma avó convencional. Mas é uma mulher admirável na sua vida infeliz. Com ela aprendi que a felicidade é finita e que tudo pode mudar de um momento para o outro. Com ela aprendi que não se pode confiar muito na vida e que nunca devemos estar tranquilos em relação ao futuro. Aprendi que o amor nem sempre tem que ser simpático. Mas tem que ser fiel. E duradouro. E leal. E constante. Sinto muito a falta da minha avó. E nesta noite, mais uma nos cuidados intensivos, em que luta para viver, quero abraça-la com muita saudade. E quero acreditar que ainda vou voltar a estar ao seu lado. Um beijo grande Avó. Não nos deixe.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Uma impaciência da alma consigo mesma


"E assim sou, fútil e sensível, capaz de impulsos violentos e absorventes, maus e bons, nobres e vis, mas nunca de um sentimento que subsista, nunca de uma emoção que continue, e entre para a substância da alma. Tudo em mim é a tendência para ser a seguir outra coisa; uma impaciência da alma consigo mesma, como com uma criança inoportuna; um desassossego sempre crescente e sempre igual. Tudo me interessa e nada me prende. Atendo a tudo sonhando sempre; (...)"

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

O fio interminável do esquecimento

"Levou tempo a habituar-se a andar sem ele ao lado, a querer contar sem ser ele a ouvir.
Voltava às ruas onde iam, aos lugares que frequentavam, sentava-se ali, imaginando que ele também se sentava e, por um momento, a angústia desaparecia e ela voltava a amá-lo como dantes. Sempre em vão, sempre calada, tecendo paciente sobre a mágoa o fio interminável do esquecimento.
Muitas vezes pensou que não queria voltar a vê-lo, outras tantas imaginou que era ele em cada uma das pessoas com quem se cruzava. Nas cinzas amargas daquela paixão, temia não o reconhecer como temia reencontrá-lo, não queria ver o seu olhar vazio da cumplicidade mágica que os unira, nem queria descobrir nele vestígios do amor mal resolvido.
Não voltou a pronunciar o nome dele e fechava-se num mutismo teimoso quando alguém ousava voltar ao assunto, ninguém percebia aquele desabar estrondoso de um namoro de tantos anos, daquele amor tido como inabalável e definitivo. A pouco e pouco, a firmeza daquele desgosto vivido em solidão ditou sobre o assunto um silêncio cúmplice e solidário, que a protegeu e deixou viver em paz o lento processo de apaziguamento.
Até que se esqueceu dele. Os seus traços esbateram-se, a sua voz deixou de ecoar na monótona repetição daquela despedida incisiva e fria e a recordação dele deixou de causar uma dor intensa sempre que a memória lhe passava o dedo de mansinho.
E ela abraçou com tranquilidade uma vida finalmente inteira."

Moura, in 'O.Insecto'

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Deserto


"São horas talvez de eu fazer o único esforço, de eu olhar para a minha vida. Vejo-me no meio de um deserto imenso. (...)"

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

A dor que sei de cor mas não recito



"No teu poema
Existe um verso em branco e sem medida
Um corpo que respira, um céu aberto
Janela debruçada para a vida.
No teu poema
Existe a dor calada lá no fundo
O passo da coragem em casa escura
E aberta, uma varanda para o Mundo.

Existe a noite
O riso e a voz refeita à luz do dia
A festa da Senhora da Agonia
E o cansaço do corpo que adormece em cama fria.
Existe um rio
A sina de quem nasce fraco ou forte
O risco, a raiva, a luta de quem cai ou que resiste
Que vence ou adormece antes da morte.

No teu poema
Existe o grito e o eco da metralha
A dor que sei de cor mas não recito
E os sonos inquietos de quem falha.
No teu poema
Existe um cantochão alentejano
A rua e o pregão de uma varina
E um barco assoprado a todo o pano.

Existe a noite
O canto em vozes juntas, vozes certas
Canção de uma só letra e um só destino a embarcar
O cais da nova nau das descobertas.
Existe um rio
A sina de quem nasce fraco, ou forte
O risco, a raiva e a luta de quem cai ou que resiste
Que vence ou adormece antes da morte.

No teu poema
Existe a esperança acesa atrás do muro
Existe tudo mais que ainda me escapa
E um verso em branco à espera... do futuro."

José Luís Tinoco por Paula Oliveira

domingo, 16 de novembro de 2008

À esperança sem vestígios


"Escrevo, triste, no meu quarto quieto, sozinho como sempre tenho sido, sozinho como sempre serei. E penso se a minha voz, aparentemente tão pouca coisa, não encarna a substância de milhares de vozes, a fome de dizerem-se de milhares de vidas, a paciência de milhões de almas submissas como a minha ao destino quotidiano, ao sonho inútil, à esperança sem vestígios. Nestes momentos meu coração pulsa mais alto por minha consciência dele. Vivo mais porque vivo maior. Sinto na minha pessoa uma força religiosa, uma espécie de oração, uma semelhança de clamor. Mas a reacção contra mim desce-me da inteligência… Vejo-me no quarto andar alto (...), assisto-me com sono; olho, sobre o papel meio escrito, a vida vã sem beleza e o cigarro barato que a expender estendo sobre o mata-borrão velho. Aqui eu, neste quarto andar, a interpelar a vida!, a dizer o que as almas sentem!, a fazer prosa como os génios e os célebres! Aqui, eu, assim!..."

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

sábado, 15 de novembro de 2008

Amor de quem não sabe dar



"Oferece o teu amor a quem te possa amar
A minha boca é fria, não tem alegria nem mesmo a cantar!
Na cruz da minha vida não queiras mais sofrer!
Não quero ser vencida, nem mulher perdida por tanto te querer!
Não queiras no peito esta flor sem perfume e sem cor, que não sabe enfeitar!
Não queiras a esmola do amor de quem não sabe dar!
Amantes, não quero, não quero!
Só este me pode agradar: é belo e castiço o meu fado amante sem par!"

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Como se passado fosse


"Viver por antecipação Pressentir situações, coisas, pessoas, sentimentos que ainda não aconteceram - que talvez mesmo nunca venham a ocorrer -, como se já se houvessem verificado. Imaginar o futuro como se passado fosse. Permanente desfasamento."

Marcello Duarte Mathias, in 'Diário da Índia'

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Um vago agradecimento


"Há dias, sabes, em que gostava de ser como um gato e que me tocasses sem desejar encontrar quaisquer sentimentos a não ser o que se exprime num espreguiçar muito lento - um vago agradecimento? - e que depois me deixasses deitado no sofá sem que nada pudesses levar da minha alma, pois nem saberias o que dela roubar."

Pedro Paixão, in 'Assinar a Pele'

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Do desperdício do tempo e das almas


"Enfio-me num cinema, Shadowlands com Anthony Hopkins. (...) talvez por tudo girar em torno do desperdício do tempo e das almas, e o desperdício ser o sentimento dominante na minha vida; talvez por ter como tema central a morte, e eu estar mais próximo dela do que aparento; talvez por retratar uma Inglaterra idílica que sempre admirei; talvez sem razão nenhuma, o que é a melhor das razões - certo é que o filme me comoveu."

Marcello Duarte Mathias, in 'Diário da Índia'

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Do teu abandono desordenado


"Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar teus olhos que são doces...
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres exausto...
No entanto a tua presença é qualquer coisa, como a luz e a vida...
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto...
E em minha voz, a tua voz...
Não te quero ter, pois em meu ser tudo estaria terminado...
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados...
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada...
Que ficou em minha carne como uma nódoa do passado...
Eu deixarei... Tu irás e encostarás tua face em outra face...
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada...
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu...
Porque eu fui o grande íntimo da noite...
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa...
Porque os meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
E eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos
Mas eu te possuirei mais que ninguém, porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas,
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada."


Vinícius de Moraes

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

O meu amor...


"O meu amor tem um jeito manso que é só seu
E que me deixa louca quando me beija a boca
A minha pele toda fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minh'alma se sentir beijada

O meu amor tem um jeito manso que é só seu
Que rouba os meus sentidos, viola os meus ouvidos
Com tantos segredos lindos e indecentes
Depois brinca comigo, ri do meu umbigo
E me crava os dentes

Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz

O meu amor tem um jeito manso que é só seu
Que me deixa maluca, quando me roça a nuca
E quase me machuca com a barba mal feita
E de pousar as coxas entre as minhas coxas
Quando ele se deita

O meu amor tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios, de me beijar os seios
Me beijar o ventre e me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo como se o meu corpo
Fosse a sua casa

Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz"

Chico Buarque por Cristina Branco, in 'Sensus'

domingo, 9 de novembro de 2008

Não tenho paz, nem descanso


Justificar completamente"Por que razão foi concedida a luz ao infeliz, e à vida àquele cuja alma está desconsolada, que espera a morte sem que ela venha e a procura com mais ardor do que um tesouro, que saltaria de júbilo e se encheria de alegria se encontrasse o sepulcro? Ao homem que não sabe por onde ir e a quem Deus cerca de todos os lados?
Em lugar de pão tenho os meus suspiros, e os meus gemidos derramam-se como água. Todos os meus temores se realizam, e aquilo que me dá medo vem atingir-me. Não tenho paz, nem descanso, os meus tormentos impedem-me o repouso."

Livro de Job, 3, 20-26
da Bíblia Sagrada

sábado, 8 de novembro de 2008

Uma dor suposta


"Não sei o quê desgosta
A minha alma doente.
Uma dor suposta
Dói-me realmente.

Como um barco absorto
Em se naufragar
À vista do porto
E num calmo mar,

Por meu ser me afundo,
Pra longe da vista
Durmo o incerto mundo."

Fernando Pessoa

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

A mesma angústia funda, sem remédio


"Aqueles que me têm muito amor
Não sabem o que sinto e o que sou...
Não sabem que passou, um dia, a Dor
À minha porta e, nesse dia, entrou.

E é desde então que eu sinto este pavor,
Este frio que anda em mim, e que gelou
O que de bom me deu Nosso Senhor!
Se eu nem sei por onde ando e onde vou!!

Sinto os passos de Dor, essa cadência
Que é já tortura infinda, que é demência!
Que é já vontade doida de gritar!

E é sempre a mesma mágoa, o mesmo tédio,
A mesma angústia funda, sem remédio,
Andando atrás de mim, sem me largar!"

Florbela Espanca

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Os sítios, as pessoas, os sentimentos


"Sempre esta tendência que me tem custado caro de querer prolongar os sítios, as pessoas, os sentimentos, para lá do tempo normal em que estas coisas nascem e morrem em nós. Misto de pieguice e horror à morte."

Marcello Duarte Mathias, in 'Diário da Índia'

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

No espanto e na solidão


"Em Portalegre, cidade
Do Alto Alentejo, cercada
De serras, ventos, penhascos, oliveiras e sobreiros
Morei numa casa velha,
À qual quis como se fora
Feita para eu Morar nela...

Cheia dos maus e bons cheiros
Das casas que têm história,
Cheia da ténue, mas viva, obsidiante memória
De antigas gentes e traças,
Cheia de sol nas vidraças
E de escuro nos recantos,
Cheia de medo e sossego,
De silêncios e de espantos,
- Quis-lhe bem como se fora
Tão feita ao gosto de outrora
Como as do meu aconchego.

Em Portalegre, cidade
Do Alto Alentejo, cercada
De montes e de oliveiras
Ao vento suão queimada
( Lá vem o vento suão!,
Que enche o sono de pavores,
Faz febre, esfarela os ossos,
E atira aos desesperados
A corda com que se enforcam
Na trave de algum desvão...)
Em Portalegre, dizia,
Cidade onde então sofria
Coisas que terei pudor
De contar seja a quem fôr,
Na tal casa tosca e bela
À qual quis como se fora
Feita para eu morar nela,
Tinha, então,
Por única diversão,
Uma pequena varanda
Diante de uma janela

Toda aberta ao sol que abrasa,
Ao frio que tosse e gela
E ao vento que anda, desanda,
E sarabanda, e ciranda
Derredor da minha casa,
Em Portalegre, cidade
Do Alto Alentejo, cercada
De serras, ventos, penhascos e sobreiros
Era uma bela varanda,
Naquela bela janela!

Serras deitadas nas nuvens,
Vagas e azuis da distância,
Azuis, cinzentas, lilases,
Já roxas quando mais perto,
Campos verdes e Amarelos,
Salpicados de Oliveiras,
E que o frio, ao vir, despia,
Rasava, unia
Num mesmo ar de deserto
Ou de longínquas geleiras,
Céus que lá em cima, estrelados,
Boiando em lua, ou fechados
Nos seus turbilhões de trevas,
Pareciam engolir-me
Quando, fitando-os suspenso
Daquele silêncio imenso,
Sentia o chão a fugir-me,
- Se abriam diante dela
Daquela
Bela
Varanda
Daquela
Minha
Janela,
Em Portalegre, cidade
Do Alto Alentejo, cercada
De serras, ventos, penhascos, oliveiras e sobreiros
Na casa em que morei, velha,
Cheia dos maus e bons cheiros
Das casas que têm história,
Cheia da ténue, mas viva, obsidiante memória
De antigas gentes e traças,
Cheia de sol nas vidraças
E de escuro nos recantos,
Cheia de medo e sossego,
De silêncios e de espantos,
À qual quis como se fora
Tão feita ao gosto de outrora
Como as do meu aconchego...

Ora agora,
?Que havia o vento suão
Que enche o sono de pavores,
Faz febre, esfarela os ossos,
Dói nos peitos sufocados,
E atira aos desesperados
A corda com que se enforcam
Na trave de algum desvão,
Que havia o vento suão
De se lembrar de fazer?

Em Portalegre, dizia,
Cidade onde então sofria
Coisas que terei pudor
De contar seja a quem for,
?Que havia o vento suão
De fazer,
Senão trazer
Àquela
Minha
Varanda
Daquela
Minha
Janela,
O documento maior
De que Deus
É protector
Dos seus
Que mais faz sofrer?

Lá num craveiro, que eu tinha,
Onde uma cepa cansada
Mal dava cravos sem vida,
Poisou qualquer sementinha
Que o vento que anda, desanda,
E sarabanda, e ciranda,
Achara no ar perdida,
Errando entre terra e céus...,
E, louvado seja Deus!,
Eis que uma folha miudinha
Rompeu, cresceu, recortada,
Furando a cepa cansada
Que dava cravos sem vida
Naquela
Bela
Varanda
Daquela
Minha
Janela
Da tal casa tosca e bela
Á qual quis como se fora
Feita para eu morar nela...

?Como é que o vento suão
Que enche o sono de pavores,
Faz febre, esfarela os ossos,
Dói nos peitos sufocados,
E atira aos desesperados
A corda com que se enforcam
Na trave de algum desvão,
Me trouxe a mim que, dizia,
Em Portalegre sofria
Coisas que terei pudor
De contar seja a quem for,
Me trouxe a mim essa esmola,
Esse pedido de paz
Dum Deus que fere ... e consola
Com o próprio mal que faz?

Coisas que terei pudor
De contar seja a quem for
Me davam então tal vida
Em Portalegre; cidade
Do Alto Alentejo, cercada
De serras, ventos, penhascos, oliveiras e sobreiros,
Me davam então tal vida
- Não vivida!, sim morrida
No tédio e no desespero,
No espanto e na solidão,
Que a corda dos derradeiros
Desejos dos desgraçados
Por noites do tal suão
Já varias vezes tentara
Meus dedos verdes suados...

Senão quando o amor de Deus
Ao vento que anda, desanda,
E sarabanda, e ciranda,
Confia uma sementinha
Perdida entre terra e céus,
E o vento a trás à varanda
Daquela
Minha
Janela
Da tal casa tôsca e bela
À qual quis como se fôra
Feita para eu morar nela!

Lá no craveiro que eu tinha,
Onde uma cepa cansada
Mal dava cravos sem vida,
Nasceu essa acàciazinha
Que depois foi transplantada
E cresceu; dom do meu Deus!,
Aos pés lá da estranha casa
Do largo do cemitério,
Frente aos ciprestes que em frente
Mostram os céus,
Como dedos apontados
De gigantes enterrados...
Quem desespera dos homens,
Se a alma lhe não secou,
A tudo transfere a esperança
Que a humanidade frustrou:
E é capaz de amar as plantas,
De esperar nos animais,
De humanizar coisas brutas,
E ter criancices tais,
Tais e tantas!,
Que será bom ter pudor
De as contar seja a quem for!

O amor, a amizade, e quantos
Mais sonhos de oiro eu sonhara,
Bens deste mundo!, que o mundo
Me levara,
De tal maneira me tinham,
Ao fugir-me,
Deixando só, nulo, vácuos,
A mim que tanto esperava
Ser fiel,
E forte,
E firme,
Que não era mais que morte
A vida que então vivia,
Auto-cadáver...

E era então que sucedia
Que em Portalegre, cidade
Do Alto Alentejo, cercada
De serras, ventos, penhascos, oliveiras e sobreiros
Aos pés lá da casa velha
Cheia dos maus e bons cheiros
Das casa que têm história,
Cheia da ténue, mas viva, obsidiante memória
De antigas gentes e traças,
Cheia de sol nas vidraças
E de escuro nos recantos,
Cheia de medo e sossego,
De silêncios e de espantos,
- A minha acácia crescia.

Vento suão!, obrigado...
Pela doce companhia
Que em teu hálito empestado
Sem eu sonhar, me chegara!

E a cada raminho novo
Que a tenra acácia deitava,
Será loucura!..., mas era
Uma alegria
Na longa e negra apatia
Daquela miséria extrema
Em que vivia,
E vivera,
Como se fizera um poema,
Ou se um filho me nascera.

José Régio

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Entrelaçado no vento


"Este amor não é um rio
Tem a vastidão do mar
A dança verde das ondas
Soluça no meu olhar
Tentei esquecer as palavras
Nunca ditas entre nós
Mas pairam sobre o silencio
Nas margens da nossa voz
Tentei esquecer os teus olhos
Que não sabem ler nos meus
Mas neles nasce a alvorada
Que amanhece a terra e os céus
Tentei esquecer o teu nome
Arrancá-lo ao pensamento
Mas regressa a todo o instante
Entrelaçado no vento
Tentei ver a minha imagem
Mas foi a tua que vi
No meu espelho, porque trago
Os olhos rasos de ti
Este amor não é um rio
Tem abismos como o mar
E o manto negro das ondas
Cobre-me de negro o olhar
Este amor não é um rio
Tem a vastidão do mar"

Fado Perdição por Cristina Branco
(Tentei esquecer o teu nome
Arrancá-lo ao pensamento
Mas regressa a todo o instante
Entrelaçado no vento)

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

A aurora indecisa


"Não posso adiar o amor

Não posso adiar o amor para outro século
Não posso
Ainda que o grito sufoque na garganta
Ainda que o ódio estale e crepite e arda
Sob montanhas cinzentas
E montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
Que é uma arma de dois gumes
Amor e ódio

Não posso adiar
Ainda que a noite pese séculos sobre as costas
E a aurora indecisa demore
Não posso adiar para outro século a minha vida
Nem o meu amor
Nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração"

António Ramos Rosa

domingo, 2 de novembro de 2008

Sem companhia nem sossego


"E tão suave é a sensação que me alheia do débito e do crédito que, se acaso uma pergunta me é feita, respondo suavemente, como se tivesse o meu ser oco, como se não fosse mais que a máquina de escrever que trago comigo, portátil de mim mesmo aberto. Não me choca a interrupção dos meus sonhos: de tão suaves que são, continuo sonhando-os por detrás de falar, escrever, responder, conversar até. E através de tudo o chá perdido finda, e o escritório vai fechar... Ergo do livro, que cerro lentamente, olhos cansados do choro que não tiveram, e, numa mistura de sensações, sofro que ao fechar o escritório se me feche o sonho também; que no gesto da mão com que cerro o livro encubra o passado irreparável; que vá para a cama da vida sem sono, sem companhia nem sossego, no fluxo e refluxo da minha consciência misturada, como duas marés na noite negra, no fim dos destinos da saudade e da desolação."

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

sábado, 1 de novembro de 2008

Nem alegre nem triste


"Viver uma vida desapaixonada e culta, ao relento das ideias, lendo, sonhando, e pensando em escrever, uma vida suficientemente lenta para estar sempre à beira do tédio, bastante meditada para se nunca encontrar nele. Viver essa vida longe das emoções e dos pensamentos, só no pensamento das emoções e na emoção dos pensamentos. Estagnar ao sol, douradamente, como um lago obscuro rodeado de flores. Ter, na sombra, aquela fidalguia da individualidade que consiste em não insistir para nada com a vida. Ser no volteio dos mundos como uma poeira de flores, que um vento incógnito ergue pelo ar da tarde, e o torpor do anoitecer deixa baixar no lugar de acaso, indistinta entre coisas maiores. Ser isto com um conhecimento seguro, nem alegre nem triste, reconhecido ao sol do seu brilho e às estrelas do seu afastamento.
Não ser mais, não ter mais, não querer mais... A música do faminto, a canção do cego, a relíquia do viandante incógnito, as passadas no deserto do camelo vazio sem destino..."

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Melhor


"Cortaram os trigos. Agora
A minha solidão vê-se melhor"
Sophia de Mello Breyner Andresen

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Casual


"... I gave romance a shot and now I'm ready for something a little more casual..."

Joey Murphy

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Fundo e grave


"Luz recortada nesta manhã fria
Muros e portões chave após chave

O meu amor por ti é fundo e grave
Confirmado nas grades deste dia"
Sophia de Mello Breyner Andresen

terça-feira, 28 de outubro de 2008

And only the sorrow



"In my hallucination
I saw my beloved's flower garden
In my vertigo, in my dizziness
In my drunken haze
Whirling and dancing like a spinning wheel

I saw myself as the source of existence
I was there in the beginning
And I was the spirit of love
Now I am sober
There is only the hangover
And the memory of love
And only the sorrow

I yearn for happiness
I ask for help
I want mercy
And my love says:

Look at me and hear me
Because I am here
Just for that

I am your moon and your moonlight too
I am your flower garden and your water too
I have come all this way, eager for you
Without shoes or shawl

I want you to laugh
To kill all your worries
To love you
To nourish you

Oh sweet bitterness
I will soothe you and heal you
I will bring you roses
I, too, have been covered with thorns"

جلال‌الدین محمد رو by Madonna, in 'A Gift Of Love - Music Inspired By The Love Poems Of Rumi'

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

The loneliest people


"If you wanna be my friend
You want us to get along
Please do not expect me to
Wrap it up and keep it there
The observation I am doing could
Easily be understood
As cynical demeanour
But one of us misread...
And what do you know
It happened again

A friend is not a means
You utilize to get somewhere
Somehow I didn't notice
friendship is an end
What do you know
It happened again

How come no-one told me
All throughout history
The loneliest people
Were the ones who always spoke the truth
The ones who made a difference
By withstanding the indifference
I guess it's up to me now
Should I take that risk or just smile?

What do you know
It happened again
What do you know"

Kings of Convenience, in 'Riot on an empty street'

domingo, 26 de outubro de 2008

E de tudo que há nas ilusões


"O cansaço de todas as ilusões e de tudo que há nas ilusões - a perda delas, a inutilidade de as ter, o antecansaço de ter que as ter para perdê-las, a mágoa de as ter tido, a vergonha intelectual de as ter tido sabendo que teriam tal fim. A consciência da inconsciência da vida é o mais antigo imposto à inteligência. Há inteligências inconscientes - brilhos do espírito, correntes do entendimento, mistérios e filosofias - que têm o mesmo automatismo que os reflexos corpóreos, que a gestão que o fígado e os rins fazem de suas secreções."

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

sábado, 25 de outubro de 2008

Diante do teu olhar

 

"O que desejei às vezes

Diante do teu olhar,
Diante da tua boca!

Quase que choro de pena
Medindo aquela ansiedade
Pela de hoje - que é tão pouca!

Tão pouca que nem existe!

De tudo quanto nós fomos,
Apenas sei que sou triste."

António Botto

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

E isto não ser tudo


"A minha imagem, tal qual eu a via nos espelhos, anda sempre ao colo da minha alma. Eu não podia ser senão curvo e débil como sou, mesmo nos meus pensamentos.
Tudo em mim é de um príncipe de cromo colado no álbum velho de uma criancinha que morreu sempre há muito tempo.
Amar-me é ter pena de mim. Um dia, lá para o fim do futuro, alguém escreverá sobre mim um poema, e talvez só então eu comece a reinar no meu Reino.
Deus é o existirmos e isto não ser tudo."

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

A angústia das pequenas coisas ridículas


"Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo.
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cómico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um acto ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e erróneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza."

Álvaro de Campos

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Tanta pena y tanto mal



"Soledad,
fue una noche sin estrellas
cuando al irte
me dejaste tanta pena
y tanto mal.

Soledad
desde el dia en que te fuiste
en el pueblo solo existe
un silencio conventual.

Soledad,
los arrollos están secos,
en lascalles hay mil ecos
que te gritan sin cesar

Soledad
vuelve ya...
Vuelve ya mi Soledad..."

por Chavela Vargas

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Com este mal-estar a fazer-me pregas na alma


"Esta velha angústia,
Esta angústia que trago há séculos em mim,
Transbordou da vasilha,
Em lágrimas, em grandes imaginações,
Em sonhos em estilo de pesadelo sem terror,
Em grandes emoções súbitas sem sentido nenhum.

Transbordou.
Mal sei como conduzir-me na vida
Com este mal-estar a fazer-me pregas na alma!
Se ao menos endoidecesse deveras!
Mas não: é este estar-entre,
Este quase,
Este poder ser que...,
Isto.

Um internado num manicómio é, ao menos, alguém,
Eu sou um internado num manicómio sem manicómio.
Estou doido a frio,
Estou lúcido e louco,
Estou alheio a tudo e igual a todos:
Estou dormindo desperto com sonhos que são loucura
Porque não são sonhos.
Estou assim...

Pobre velha casa da minha infância perdida!
Quem te diria que eu me desacolhesse tanto!
Que é do teu menino? Está maluco.
Que é de quem dormia sossegado sob o teu tecto provinciano?
Está maluco.
Quem de quem fui? Está maluco. Hoje é quem eu sou.

Se ao menos eu tivesse uma religião qualquer!
Por exemplo, por aquele manipanso
Que havia em casa, lá nessa, trazido de África.
Era feiíssimo, era grotesco,
Mas havia nele a divindade de tudo em que se crê.
Se eu pudesse crer num manipanso qualquer —
Júpiter, Jeová, a Humanidade —
Qualquer serviria,
Pois o que é tudo senão o que pensamos de tudo?

Estala, coração de vidro pintado!"


Álvaro de Campos

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Mais que um crime é um castigo

"Proibissem a saudade de cantar,
Havia de ser bonito…
Entre os versos da canção mais popular,
Ai, é o dito por não dito.

E as guitarras, sob a escuta na batuta de outras modas,
Escondem no trinar das cordas o pesar.
E o poeta vigiado, forçado ao assobio,
Carpe as mágoas do destino sem mostrar.

E ao calor de uma fogueira, um amigo
Com a voz mais aquecida lá entoa:
Que a saudade mais que um crime é um castigo,
E prisão por prisão, temos Lisboa."

Deolinda

domingo, 19 de outubro de 2008

Os meus desejos são cansaços


"Dorme enquanto eu velo…
Deixa-me sonhar…
Nada em mim é risonho.
Quero-te para sonho,
Não para te amar.

A tua carne calma
É fria em meu querer.
Os meus desejos são cansaços.
Nem quero ter nos braços
Meu sonho do teu ser.

Dorme, dorme. dorme,
Vaga em teu sorrir…
Sonho-te tão atento
Que o sonho é encantamento
E eu sonho sem sentir."

Fernando Pessoa

sábado, 18 de outubro de 2008

O meu amor não estava



"a noite vinha fria
negras sombras a rondavam
era meia-noite
e o meu amor tardava

a nossa casa, a nossa vida
foi de novo revirada
à meia-noite
o meu amor não estava

ai, eu não sei aonde ele está
se à nossa casa voltará
foi esse o nosso compromisso

e acaso nos tocar o azar
o combinado é não esperar
que o nosso amor é clandestino

com o bebé, escondida,
quis lá eu saber, esperei
era meia-noite
e o meu amor tardava

e arranhada pelas silvas
sei lá eu o que desejei:
não voltar nunca...
amantes, outra casa...

e quando ele por fim chegou
trazia flores que apanhou
e um brinquedo pró menino

e quando a guarda apontou
fui eu quem o abraçou
o nosso amor é clandestino"

Deolinda
(Hoje, na Aula Magna, pelas 22H. A não perder.)

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Em nome da tua ausência


Gosto tanto de estar contigo e às vezes quero tanto estar sozinho. Às vezes preciso tanto de ti e outras vezes preciso só de mim. Às vezes quero que estejas aqui em casa e outras vezes não. E às vezes esse querer dura apenas alguns minutos ou segundos. Mas há dias em que a solidão e o frio me invadem e eu sinto-me pequeno e só e triste. E acho que amar devia dar um pouco mais de calor... Na verdade tenho saudades tuas. Mas saudades mesmo. Daquelas que provocam um peso no estômago e fazem doer. E é nestes dias que tenho mais dificuldade em sair da cama. E chego a ficar assim, congelado, como se apenas a tua presença ao meu lado me trouxesse algum conforto. Em nome da tua ausência arrasto os olhos de rosto em rosto, buscando a tua face. Em nome da tua ausência perco horas na cidade a percorrer os teus caminhos, sonhando com os teus passos. Em nome da tua ausência gasto os dias em angustias, em lágrimas, em solidão. Em nome da tua ausência deixei de sentir. Na verdade tenho saudades tuas. É tempo de aceitar que te perdi de vez.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

No desalinho triste das minhas emoções confusas...


"Uma tristeza de crepúsculo, feita de cansaços e de renúncias falsas, um tédio de sentir qualquer coisa, uma dor como de um soluço parado ou de uma verdade obtida. Desenrola-se-me na alma desatenta esta paisagem de abdicações - áleas de gestos abandonados, canteiros altos de sonhos nem sequer bem sonhados, inconsequências, como muros de buxo dividindo caminhos vazios, suposições, como velhos tanques sem repuxo vivo, tudo se emaranha e se visualiza pobre no desalinho triste das minhas sensações confusas."

Bernardo Soares, in 'Livro do Desassossego'

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

A mão doçura

"Ai! minha mãe
minha ‘’mãe menininha’’
ai! minha ‘’mãe
menininha’’ do Gantois
- a estrela mais linda, hein?
- tá no Gantois
- a beleza do mundo, hein?
- tá no Gantois
- e a mão doçura, hein?
- tá no Gantois
- o consolo da gente, ai?
- ta no Gantois
- a oxum mais bonita, hein
- ta no gantoi
Olorum que mandou
essa filha de oxum
tomar conta da gente
e de tudo cuidar
Olorum que mandô-ê-ô
ora-iê-iê-ô."

Dorival Caymmi por Maria Bethânia, Caetano Veloso e Dona Canô
(Esta é por razão nenhuma. Porque há momentos tão simples e tão bonitos que se tornam inesquecíveis.)

terça-feira, 14 de outubro de 2008

O que deve estar na alma


"(...)
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
(...)"

Alberto Caeiro in 'O Guardador de Rebanhos'

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Escolheu meu coração

"Minha vida que parece muito calma
Tem segredos que eu não posso revelar
Escondidos bem no fundo de minh'alma
Não transparecem nem sequer em um olhar
Vive sempre conversando à sós comigo
Uma voz eu escuto com fervor
Escolheu meu coração pra seu abrigo
E dele fez um roseiral em flor"